Repositório Institucional UNIFRAN Dissertações Mestrado em Linguística
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.cruzeirodosul.edu.br/jspui/handle/123456789/768
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorPires, Alcione Rodrigues-
dc.date.accessioned2020-06-10T17:57:24Z-
dc.date.available2020-06-10T17:57:24Z-
dc.date.issued2010-03-05-
dc.identifier.citationPIRES, Alcione Rodrigues. Infoinclusão: discursos, representações e práticas de subjetivação do professor web 2.0 na cibermídia. Franca, 2010. 81 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Universidade de Franca. 2010.pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.cruzeirodosul.edu.br/handle/123456789/768-
dc.description.abstractDigital inclusion can be understood as the technology used to create an effective social inclusion and, by providing equipment which will be used as instruments of social mobilization and of education, become a way of people being socially and digitally included.To be digitally included means to have access and knowledge to make use of information and communication technologies. On the internet, we find many actions to make that effective, for instance, governmental and also private educational portals, specialized websites, blogs, forums and a few others technological devices. The discursive practices found in those virtual spaces about the teacher and the new technologies show an unprepared educator when dealing with internet issues and, more specifically, with Web 2.0. In the first generation of commercial Internet the user only played a spectator role on these pages, with no access or authorization to modify any content, which characterized the Web 1.0 period. Nowadays, this one way street is over, and the web users can put their own contents online: it is the Web 2.0 phase. Still, the term “Web 2.0” is not clear for everyone and it seems too soon to talk about Web 3.0 it. Our objective with this paper is to identify the discursive and subjective practices found on Web 2.0, as to observe the effects of meanings in the speech of the subject teacher, more specifically on a website whose main focus is to prepare and guide the teacher to qualify himself for teaching and learning using these new technologies. The corpus is compound by e-texts from the educational website Educarede, an Educational Portal sustained by Telefônica and supported by the MEC. We elected to theoretic perspective the French Speech Analysis, the studies by Foucault (2007, 2000, 1991), about speech order and about the “self” technics; and Bauman (1998, 2001, 2005, 2007), Hall (2000); Coracini (2006); Eckert-Hoff (2008) to the matter of new technologies and identity. About education and internet, authors such as Belloni (2005, 2006), Brunner (2003) and Silva (2003). The results indicate an authoritarian, prescriptive and objective speech by the subject teacher. This is a time of changes, and in order to belong to it, the 2.0 subject teacher must not be a human teacher, but he has to link to himself all the Web 2.0 tools which shall make him the Teacher 2.0. This way, the teachers seem to be seen as machines with no self-identity, but with many identifications which can be changed at any moment according to present needs.pt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade de Francapt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectInfoinclusãopt_BR
dc.subjectWeb 2.0pt_BR
dc.subjectPráticas discursivas e subjetivadoraspt_BR
dc.subjectAnálise do discursopt_BR
dc.titleInfoinclusão: discursos, representações e práticas de subjetivação do professor web 2.0 na cibermídiapt_BR
dc.title.alternativeDigital Inclusion: speeches, representations and subjective practices of web 2.0 teachers on cyber media.pt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.creator.ID6825359600262268pt_BR
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/6825359600262268pt_BR
dc.contributor.advisor1Momesso, Maria Regina-
dc.contributor.advisor1ID8973020849570833pt_BR
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/8973020849570833pt_BR
dc.contributor.referee1Carmelino, Ana Cristina-
dc.contributor.referee1ID3611805324589054pt_BR
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/3611805324589054pt_BR
dc.contributor.referee2Pernambuco, Juscelino-
dc.contributor.referee2ID1656882776659459pt_BR
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/1656882776659459pt_BR
dc.description.resumoPor infoinclusão escolar entendemos como a tecnologia utilizada para que haja uma efetiva inclusão social e, por meio, da disponibilização de equipamentos, que serão usados como instrumentos de mobilização social e de educação seja uma forma das pessoas estarem incluídas digitalmente e socialmente. Estar incluído digitalmente significa ter acesso e saber utilizar às tecnologias da comunicação e informação. Na internet encontramos muitas ações para que isso se efetive, como exemplo, portais educativos governamentais e privados, sites especializados, blogs, fóruns e outros dispositivos tecnológicos. A prática discursiva circulante nesses espaços virtuais acerca do professor e das novas tecnologias mostra um educador despreparado para lidar com a internet e, mais especificamente, com a Web 2.0. Na primeira geração de Internet o usuário desempenhava papel de espectador nas páginas, não tinha acesso e nem autorização para alteração de conteúdo, fase denominada de Web 1.0. Hoje, a via de mão única acabou e os usuários das páginas podem colocar no ar o próprio conteúdo, é a fase Web 2.0. A expressão Web 2.0 ainda não ficou clara para todos e parece precipitação falar em Web 3.0. Objetivamos neste trabalho identificar as práticas discursivas e de subjetivação, presentes na Web 2.0, com a finalidade de observar os efeitos de sentido no discurso do sujeito professor, mais especificamente em um site que tem como foco principal preparar e orientar o professor a qualificar-se para o ensino e aprendizagem com as novas tecnologias. O corpus configura-se de e-textos do site educativo Educarede. Elegemos como perspectiva teórica a Análise de Discurso francesa, os estudos de Foucault (2007, 2000, 1991) acerca da ordem do discurso e das técnicas de si e para as questões das novas tecnologias e identidade Bauman (1998, 2001, 2005, 2007), Hall (2000); Coracini (2006); Eckert-Hoff (2008). Sobre a educação e internet autores como Belloni (2005, 2006), Brunner (2003) e Silva (2003). Os resultados apontam para um discurso autoritário, prescritivo e objetivador do sujeito professor. O tempo é de mudanças, para pertencer a ele, o sujeito Professor 2.0 não pode ser um professor humano, deve acoplar ao seu ser as ferramentas da Web 2.0 que o tornará o Professor 2.0. Dessa forma, os professores parecem ser vistos como máquinas que não tem identidade própria, mas sim identificações que podem ser alteradas a qualquer momento dependendo da necessidade vigente.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentPós-Graduaçãopt_BR
dc.publisher.programPrograma de Mestrado em Linguísticapt_BR
dc.publisher.initialsUNIFRANpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LINGUISTICApt_BR
Aparece nas coleções:Mestrado em Linguística

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Alcione Rodrigues Pires.pdf541.88 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.